Páginas

14 de maio de 2010

Pequeno anjo,

Sou apenas uma criança, e talvez por isso eu não tenha o direito de estar aqui, dizendo que enfrento problemas e dores. Era para ser mais fácil para nós pequenos seres, pois nossos problemas geralmente machucam mais, mas são mais simples , bem pelo menos na teoria.
Sinto que já amei mais, que já sofri mais, que já vivi mais que muitas pessoas que viveram por vários anos, talvez por ter de cuidar da minha pequena Ellie, minha irmãzinha, sou 1 ano mais velho ela tem 8 eu tenho 9 anos, depois do acidente em que nossos pais morreram - ano passado -, Ellie ficou muito frágil, não comia, não sorria, arrisco-me a dizer que ela não vivia mais, eu vi minha irmãzinha se destruir aos poucos, e não pude fazer nada, estava impotente. O câncer tomou conta dela de uma forma brutal, ela não tinha defesas, estava vulnerável, e fraca, ela não queria lutar, tinha simplesmente aceitado, eu sentia que ela desejava a morte.
Com o tempo, e os tratamentos, o cabelo dela começou a cair, sua pele ficou frágil, ela estava ainda mais vulnerável que antes, um dia fui visitá-la , foi quando ela se escondeu, porque estava sem cabelo, e eu disse que não a amo somente fisicamente e sim espiritualmente, pois não amamos um corpo e sim uma alma. Eu era sua única família, e ela a minha, eu a amava mais que a minha própria vida.

- Eu preciso que seja forte Ellie, como sempre foi.- disse eu, enxugando as lágrimas quentes que brotavam de meus olhos assustados

- Eliot, eu perdi todo o meu cabelo - ela soluçava - não pode mais fazer tranças em mim, nem puxar meu cabelo em uma briga, eu estou tão feia. -Nem eu, nem ela conseguíamos controlar o choro impulsivo que brotava de nós.

- Eu estou aqui irmãzinha, e quem disse que está feia ? você esta só .. - lembrei-me de algo que a mamãe dizia . - diferente

- Acha mesmo que estou diferente ? - ela disse enxugando as lágrimas

- Sim, esta bem diferente, está lindamente diferente, sabe, eu queria ser diferente assim. - Ela sorriu

- Acha que a mamãe tem orgulho de mim ? Ela dizia que tínhamos que ser diferentes, por que quando somos iguais nos apagamos, lembra-se ?

- Lembro sim, e acho que ela esta cheia de orgulho, lá no céu, e eu, eu estou cheio de orgulho aqui.

E pela primeira vez desde o acidente dos nossos pais no dia 25 de março de 2010, eu vi um sorriso puro no rosto da minha pequena Ellie, enquanto ela corria para os meus pequenos braços e dizia:


- Obrigada por se orgulhar de mim, eu te amo irmãozinho

2 comentários:

  1. Queria tentar entender porque história com crinaçs são tão tristes.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir